Vladimir Souza Carvalho

Vladimir2

CADEIRA 25

PATRONO: JOSÉ SEBRÃO DE CARVALHO (o sobrinho)

Historiador, cronista e poeta

Separador3-1sepia

Vladimir Souza Carvalho nasceu no dia 06 de abril de 1950, filho de Maria de Souza Carvalho e Jubal Carvalho, em Itabaiana. Fez o curso primário no Educandário N. S. Menina, da Professora Maria Menezes Santos (Maria de Branquinha), de 1958 a 1961, em Itabaiana; o ginásio, no Ginásio Estadual de Itabaiana, de 1962 a 1965; o curso clássico no Colégio Estadual de Sergipe, em Aracaju, de 1966 a 1968. Entrou na Faculdade de Direito em 1969, graduando-se em 1973. Foi servidor do Instituto Nacional de Previdência Social, de 1969 a 1970; depois, da Justiça Federal da Seção Judiciária de Sergipe, de 1978 a 1988. Ingressou na Justiça Estadual como Juiz de Direito da Comarca de N. S. da Glória em 1978, lá ficando até 1980, quando foi removido para a Comarca de Campo do Brito, onde ficou até 1984. Daí foi ser Juiz Federal da 2ª da Seção Judiciária do Piauí, onde ficou de 1984 a 1985, obtendo remoção para a 2ª Vara da Seção Judiciária de Alagoas, onde permaneceu até dezembro de 1987, quando, então, assumiu o comando da 3ª Vara da Seção Judiciária de Sergipe, passando, no ano seguinte, 1988, para a 2ª Vara, lá ficando até novembro de 2007, quando foi convocado para o Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife, assumindo uma cadeira, promovido pelo critério de antiguidade, em fevereiro de 2008. Integrou a 3ª Turma, tendo sido Corregedor Regional, e, no momento, faz parte da 2ª Turma. Como Juiz Federal foi juiz substituto dos Tribunais Regionais do Piauí, Alagoas, Sergipe e Pernambuco, tendo sido membro titular do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe, estando, no momento, como integrante do Tribunal Regional Federal de Pernambuco, na cadeira reservada a Juiz Federal. Foi um dos fundadores e principais redatores do jornal O SERRANO, de Itabaiana, colaborando esparsamente em diversos jornais de Aracaju, como Diário de Aracaju, Jornal da Cidade, Gazeta de Sergipe, Jornal da Manhã. Colaborou por vários anos, quinzenalmente, no Diário de Pernambuco, escrevendo hoje, também quinzenalmente, para a Folha de Pernambuco, ambos de Recife. Escreve para o Correio de Sergipe (Aracaju), desde 2007, inicialmente, de quinze em quinze dias; hoje, semanalmente. Além da literatura forense é contista, poeta, folclorista, historiador, crítico literário e organizador em trabalhos variados como álbuns fotográficos e obras póstumas de autores itabaianenses.

OBRAS
DO ACADÊMICO
– Quando as cabras dão leite, contos, (1971 e 2001);
– Sinal Verde, trânsito vermelho, poemas, (1972);
– Santas Almas de Itabaiana Grande, história, (1973);
– O Caxangá na história de Itabaiana, folclore, (1976);
– Da Justiça Federal e sua Competência, direito, (1980);
– Competência da Justiça Federal, direito, (1990);
– Manual de Judicatura Aplicada, direito, (1993)
– Mulungu Desfolhado, contos, (1995);
– Apelidos em Itabaiana, folclore, (1996);
– Adivinhas sergipanas, folclore, (1999);
– A República Velha em Itabaiana, história, (2000);
– Água de Cabaça, contos, (2003);
– Feijão de Cego, contos, (2009);
– Vila de Santo Antônio de Itabaiana, história, (2009);
– Manual de Competência da Justiça Federal, direito, (2010);
– Ilegalidade e inconstitucionalidade do exame da Ordem, direito, (2011);
– Álbum de Itabaiana, fotografia (Com Robério Barreto Santos), (2013);
– Dom Casmurro, a história que Machado de Assis escondeu, crítica, (2014);
– Teoria da Competência da Justiça Federal, direito, (2016);
– Fogo de monturo e outras fumaças, contos (2017).

EM PREPARO
– Dois Instantes e uma saudade, poemas;
– Crônicas da infância vivida;
– Crônicas da vida e da morte corriqueiras;
– Crônicas da faculdade ao tribunal;
– Euclides Paes Mendonça: ensaios e crônicas;
– Teoria da Competência da Justiça Federal, 3ª edição; e
– Apelidos em Itabaiana, 2ª edição.

ORGANIZADAS PELO ACADÊMICO
– Fragmentos de histórias municipais e outras histórias, (De Sebrão, Sobrinho), organizador, (2003);
– Laudas da História do Aracaju, (De Sebrão, Sobrinho), organizador, (2005);
– Toda Poesia, (De Alberto Carvalho), organizador, (2005).

PARTICIPAÇÕES ENTRE OUTROS EM:
– Prosa sergipana (Uma antologia), (1992);
– Poesia sergipana (Uma antologia, (1998);
– A poesia sergipana no século XX, (antologia), (1998).

 

Separador2-2sepia

POSSE (Coletiva): 01/02/2013

RECEPÇÃO SOLENE: 29/08/2014

SAUDAÇÃO: LUIZ CARLOS ANDRADE

Separador5preto


 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: